A duas velocidades

Nestes tempos conturbados da vida nacional muito se têm referido as diferentes velocidades e capacidades de ajustamento a esta nova realidade que vivemos.

Uma velocidade mais rápida, de quem já se ajustou e já está a trabalhar para o futuro, a promover novas ideias de negócio e a racionalizar custos de produção de modo a poder competir em novos mercados, normalmente associada ao sector privado.

Outra velocidade, mais lenta, quase parada, que queria que tudo se mantivesse como era antes e que está em completa negação perante todas as mudanças que já aconteceram.

O mesmo se passa no nosso imobiliário. Existem alguns que já se adaptaram à nova realidade, que reformularam projectos, que abriram espaços e rentabilizaram o seus activos, ajustando preços mas também custos ao que o mercado pode suportar.

Mas também temos aqueles que ainda não se mexeram, que esperam que a tempestade passe e que os “bons tempos” voltem. Insistem ainda em projectos e fórmulas antigas, suportados em avaliações e em “crenças” desactualizadas.

Felizmente, temos trabalhado muito do “lado bom da força”, assistindo a uma dinâmica que raramente passa nas notícias, novos conceitos, lojas a abrir e a expandirem-se, novas profissões e antigos ofícios reinventados, que procuram os seus espaços e novos públicos.

Aqui já não se fala em crise há muito tempo, mas sim nas oportunidades tão diversas que entretanto surgiram, novas necessidades de comércio de proximidade e conveniência, no grande aumento de turistas que temos em Lisboa e no Porto, nas oportunidades criadas pelos Golden Visa e pelo Regime Fiscal para residentes não habituais, pelos novos serviços e plataformas online, entre tantas outras.

Esta(s) nova(s) realidade(s) criam novos públicos e por isso pedem uma diversificação do nosso imobiliário, criando nichos de mercado que o tornam mais interessante e desafiante.

Sei que ainda há pessoas que acham que a LX Factory não tem condições para trabalhar, geralmente não percebem que há novas formas de trabalho com diferentes necessidades, mais importante, novas formas de interacção entre pessoas e negócios.

São estes novos negócios que têm contribuído bastante para a reabilitação do centro das nossas cidades, não com uma renovação profunda do edificado, mas sim com o que consideramos mais importante, que é a sua dinamização e atracção de novos públicos.

Este é o caminho para a Reabilitação Urbana dinamizar e criar riqueza para depois poder recuperar edifícios. Não há liquidez nem financiamento para recuperar edifícios sem actividade económica que os ocupe.

Acredito que alguns dos focos de dinamização estão já a contagiar positivamente outras localizações e há novos conceitos e ideias para desenvolver e implementar. Quem diria há 5 anos que havia espaço para uma cadeia de novas pastelarias, num mercado cheio de snack-bares e cafés? Quem adivinhava há 3 anos a proliferação de novas casas de hambúrgueres no pão? Já para não falar nos Hostels e nos apartamentos de arrendamento temporário…

Sabemos que podem representar (ainda) uma pequena percentagem do nosso imobiliário e é claro que continuam a existir outros mercados mais convencionais que é preciso também saber responder, mas é importante compreendermos estes novos nichos e tentar que nos ajudem a rentabilizar os nossos activos.

Sobre o autor

Fernando Vasco Costa Head of Development Services | Development Services

Actualmente, sou Head of Development Solutions na JLL, departamento que integra a comercialização de imóveis para promoção / desenvolvimento e a área de Gestão de projecto (Project & Development Services). Entrei na JLL em 2012 para dinamizar o Departamento de Consultoria Estratégica, onde era responsável pela elaboração de diversos trabalhos como estudos de viabilidade, Best Uses, Reposicionamento e Reestruturação de Portefólios, bem como relatórios de mercado. Tenho uma vasta experiência no desenvolvimento de projetos com diferentes escalas e usos como Habitação, Centros Comerciais, Resorts, Hotéis Boutique, Escritórios e Reabilitação Urbana. Licenciei-me em Arquitetura em 1996 pela Faculdade de Arquitetura da Universidade Técnica de Lisboa e detenho uma Pós Graduação em Gestão Imobiliária na ESAI, em 2003, e outra em Gestão na Universidade Nova de Lisboa, em 2008.

Partilhe este post

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*