Um novo Porto: Mais turistas, mais comércio, a mesma autenticidade!

Ainda há poucos meses, Anthony Bourdain, um dos melhores e mais mediáticos Chefs de cozinha do mundo, disse que encontrou o Porto “ainda mais bonito” e tal como ele é: “autêntico”. E esta autenticidade não está apenas na gastronomia.

Os epítetos que vêm de fora são muitos: para a CNN, é “a cidade cool de Portugal”; para a Forbes “a cidade a visitar em 2017”; e para a reputada revista Monocle, traz consigo “um legado de amor” que se vê pela arquitetura única com edifícios de Siza Vieira ou Souto Moura. Além disso, o Porto foi eleito pelo European Consumers Choice, pela terceira vez, o melhor destino europeu em 2017.

E os números também impressionam: só em 2016, mais de 6,8 milhões de turistas passaram pela Invicta, confirmando que se trata realmente de um dos mais apetecíveis destinos Europeus; o numero de passageiros que passaram pelo Aeroporto Francisco Sá Carneiro aumentou exponencialmente para 9 milhões; estão previstos abrir 19 hotéis novos na região Porto e Norte até 2018; e venderam-se 513 imóveis no centro histórico em 2016, num volume de transações de €154 milhões.

Efetivamente, a cidade conhece uma crescente exposição internacional, impulsionada não só pelo incremento do turismo, como pela diplomacia económica que a autarquia tem desenvolvido. O Porto está decididamente a mudar, mas mantendo a sua autenticidade, e o comércio de rua é uma das realidades que melhor o espelha. Ao passearmos pela Baixa da cidade, facilmente nos apercebemos das mudanças.

São muitas as lojas renovadas que consolidam o comércio de rua, principalmente na Rua de Santa Catarina, uma das vias com maior fluxo pedonal do país. Este eixo conserva espaços tão emblemáticos como o tradicional Café Majestic ao mesmo tempo que integra a abertura de novas marcas internacionais, sendo a principal referência de comércio de rua no Porto, não só devido aos inúmeros turistas que por lá passam, mas também pela afluência de um número crescente de consumidores portugueses.

Ao mesmo tempo, estão a surgir novos conceitos e espaços que dão resposta a novos hábitos de consumo, como são os bares noturnos que funcionam nas Galerias de Paris, na zona dos Clérigos, ou as feiras ao ar livre na Praça de Carlos Alberto. É, hoje, comum ver as pessoas a visitarem a famosa livraria Lello e a Torre dos Clérigos, ao mesmo tempo que procuram comprar um pouco do que é português, em lojas como a Vida Portuguesa ou a Vista Alegre.

Também o eixo Flores/Mouzinho da Silveira representa a inovação e a diferença que se está a sentir atualmente na oferta de espaços e conceitos comerciais na Invicta. Esta zona é cada vez mais um destino comercial alternativo, especialmente apetecível para a área da restauração, fazendo a ligação entre o renovado largo dos Loios e o largo de S. Domingos.

O renascimento da Avenida dos Aliados, com edifícios icónicos e passeios largos, é outra paragem importante neste nosso passeio. Esta Avenida reúne condições ímpares para que as grandes marcas internacionais assumam o Porto como um destino de retalho na Europa. Na verdade, a reabilitação de edifícios como a dos Aliados 107, antiga sede do Jornal Comércio do Porto, foi um dos grandes pontos de viragem em todo este processo, quando associamos o sucesso do primeiro empreendimento residencial nos Aliados ao local de eleição do retalho de Luxo.

Tudo isto, pontuado por projetos âncora, que prometem ajudar ainda mais a consolidar o comércio de rua na Baixa do Porto, como são os casos do Mercado do Bolhão (já em obra) e da Estação de S. Bento.

E também no comércio de rua, os números comprovam a dinâmica da Porto. As rendas estão a crescer a um ritmo muito superior ao da capital, o que mostra bem que os retalhistas estão cada vez mais a interessar-se pela cidade e que a oferta de espaços também está a qualificar-se. Só no primeiro semestre, as rendas de rua nestas quatro zonas crescerem entre 20% a 60% face à primeira metade do ano passado, estando atualmente em níveis que oscilam entre os 60 euros/m2/mês (Santa Catarina) e os 30 euros/m2/mês (Flores/Mouzinho da Silveira).

É este o nosso Porto de hoje, que, com 220 dias de sol por ano, ruas seguras e cultura vibrante, começa a ser considerado por estrangeiros e investidores, um local para viver e trabalhar. Mas que, ao mesmo tempo, se renova com autenticidade, mantendo-se o nosso Porto de sempre, cidade de ruas estreitas, envolvida pelos encantos do vinho do Porto.

Sobre o autor

Cristina Almeida Consultant | Retail Leasing

Integrei a JLL no Departamento de Retail Leasing, em Agosto de 2016, onde atualmente exerço funções. Trabalhei como advogada no Escritório Delgado e Associados e, posteriormente, integrei a equipa da Knot Kids como retail manager. Sou licenciada em Direito pela Universidade Católica Portuguesa.

Partilhe este post

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*